Coração de Tinta

Título em português: Coração de Tinta
Título Original: Inkhertz
Autor: Cornelia Funke
Ano de publicação: 2006
País de Origem: Alemanha
Tradução: Sonali Bertuol
Editora: Companhia das Letras
Número de páginas: 456

Escrito com riqueza de detalhes e com metáforas maravilhosas a cada página, Coração de Tinta ganha logo de cara qualquer leitor que seja apaixonado por livros. Afinal de contas, é um livro sobre livros! Uma história sobre uma história que ganha vida!

 Meggie é uma garota de 12 anos que mora com seu pai, Mo, num sítio afastado. Mo é restaurador de livros e Meggie cresceu em meio a essa atmosfera de amor pela palavra escrita. Logo nos primeiros parágrafos, o leitor começa a entender a importância dos livros na vida de Meggie, não só por conta de seu pai restaurador, mas porque Meggie lê o tempo todo e encontra nos livros seu lugar seguro. [Parece familiar para alguém?] A casa é abarrotada de livro e pilhas que vão até o teto e as brincadeiras da menina e do pai são permeadas por personagens fictícios, mundos imaginados e palavras famosas. A vida ia tranqüila até que um estranho aparece na janela uma certa noite. O pai de Meggie fica assustado ao conversar com o homem que se chama Dedo Empoeirado e a menina pressente que algo está para acontecer. Algo que mudará suas vidas para sempre.

 Logo de cara temos um mistério (o que eu pessoalmente gosto bastante em livros): o pai de Meggie conhece Dedo Empoeirado a muitos anos mas não quer falar sobre o assunto. O leitor, junto com Meggie, começa a trabalhar nesse mistério que leva a um labirinto de páginas e letras. Juntos, pai e filha vão buscar refúgio na casa de Elinor, uma tia de Meggie que é mais que é uma apaixonada por livros, é uma obcecada. A casa de Elinor é uma biblioteca e ela trata seus livros como se fossem (ou até melhor do que) pessoas. A velha é de longe minha personagem favorita no livro: doida por livros, xinga o tempo todo, faz comentários imperdíveis e dá ataques de doideira.

A trama se desenrola num ritmo que não chega a ser lento, mas também não é rápido, o que pode desagradar algumas pessoas que gostam de narrativas frenéticas. No entanto, a narrativa não é lenta, apresenta diálogos dinâmicos, alguns pensamentos dos personagens principais, e muitas, muitas imagens literárias! Referência a livros é o que não falta, não só na história em si, como no próprio livro, que, no início de cada capítulo, apresenta uma citação de alguma história. Então é super gostoso rever citações de O Senhor dos Anéis, Peter Pan, História sem Fim, Tom Sawyer e alguns outros livros que não conheço.

Quanto aos personagens, todos são muito bem desenvolvidos. Desde Meggie com sua curiosidade infantil até Mo e sua praticidade, passando por Elinor e suas paixões desvairadas, Basta e suas superstições, Dedo Empoeirado e seus medos até chegar em Capricórnio e suas crueldades de vilão. Tudo muito bem justificado e bem feito, o que pra mim é sempre um ponto positivo. Quem é que não gosta de ler personagens assim tão cativantes e bem escritos?

Escrever e ler são os temas centrais do livro. Qual é a nossa relação com os personagens que lemos? E com os personagens que criamos? Quais são os limites entre fantasia e realidade?

Para quem gosta dessas perguntas, Coração de Tinta é um prato cheio.

Baseado no livro, em 2009 foi feito o filme Coração de Tinta com Brandon Fraser no papel de Mo. Assisti o filme a muito tempo, confesso que não me lembro muito bem, mas achei legalzinho. Na minha opinião, o livro é bem melhor. Achei o filme um tanto infantil demais.

Coração de Tinta faz parte da Trilogia Mundo de Tinta que continua com os volumes:

  • Sangue de Tinta
  • Morte de Tinta

SPOILERS – Para quem já leu e quer discutir

É  interessante perceber a ambigüidade do título. Coração de Tinta é tanto o livro escrito por Fenoglio com a história de Capricórnio e seu coração negro como tinta, mas é também a história de Meggie e Mo que têm no centro de suas vidas a palavra escrita, a tinta, que dá vida às coisas.

A trama vai revelando aos poucos os seus segredos, o que achei muito bom. A história de Mo e sua língua encantada, por exemplo, foi aparecendo aos poucos, na medida certa e isso contribui para dar um toque mais realista à história. Já a aparição da mãe de Meggie, apesar de bem previsível, foi feita de um jeito interessante, sem sensacionalismos e cenas ultra bregas sentimentais. E sem querer parecer malvada, mas foi legal Teresa ficar muda. Se tem uma coisa que me irrita horrores são finais felizes em que todo mundo encontra uma solução incrível e brilhante pra tudo de uma hora pra outra.

Capricórnio é um super vilão. Concordo com Fenoglio, ele é um vilão que dá orgulho. A morte dele no final foi esperada, mas gostei. Na hora fiquei com medo de ser bem idiota do tipo “Então ele se arrependeu de tudo e ficou bonzinho”. Ainda bem que isso não aconteceu, se não eu teria fechado o livro. Mentira, eu leria até o fim, mas ficaria decepcionada.

FIM DOS SPOILERS

Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

12 Responses to “Coração de Tinta”

  1. Também assisti ao filme e não me lembro de nada rsrsrs. Mas o livro parece bastante interessante, embora não seja o tipo de literatura que eu goste de ler. Mas a sua resenha está maravilhosa e dá realmente vontade de ler o livro. Abraços e melhoras.

    http://dragonmountbooks.wordpress.com/

    Responder
    • Que bom que gostou, Cassy. É um livro bem light e aventuresco mesmo. Pelas resenhas que vejo no seu blog, imagino que não é do seu tipo mesmo.

      Responder
  2. Oi Mel,
    Amei esse livro! E é uma pena que ainda não tenha lido os próximos volumes, embora eles já estejam na minha estante!! O problema é que, como você disse, a narrativa é lenta, com diálogos bem mais apurados e isso exige mais atenção e cuidado na leitura.
    Com o tanto de livro que tenho aqui na estante, estou dando prioridade para os mais “rápidos”. Assim pretendo acumular um número bom de resenhas para poder me dedicar a livros mais “demorados” sem prejudicar o andamento do blog!! rs…
    Beijos
    Camila – Leitora Compulsiva

    Responder
    • Sim, é um livro que tem que ter um tempo pra ler. Não é o tipo de coisa que você pega assim na lata e lê de uma vez.
      Gostei da sua estratégia de leitura, Camila! Acho que vou desenvolver uma parecida. rs
      Realmente não sei quando é que vou poder ler os outros dois, mas estou bem curiosa pra saber como essa história continua porque o primeiro livro tem um final fechadinho, até.

      Responder
  3. Poxa Mel, não sabia dessa série. Mais uma que entra pra minha lista por sua culpa hahaha! Prometo passar aqui pra comentar de novo quando ler!

    Responder
    • É uma história muito legal. Vale a pena ler o livro!!! Ele tem detalhes ilustrados nos cantinhos da página, é todo decorado. 🙂 E a história é incrível!

      Responder
    • Laura, esse livro é um grande best-seller alemão que foi traduzido para várias línguas. Então, se você define literatura de massa como algo que vende muito, é sim. Mas é importante lembrar que é um livro que tem todo um trabalho com linguagem, com a narrativa. Não é qualquer coisinha não, é algo bem feito. Se você gosta de fantasia, de metaficção, vai gostar desse livro e apreciá-lo.

      Responder
  4. Ótima resenha e livro maravilhoso!
    Pra quem ama livros, talvez não tanto quanto Elinor, é uma história fantástica. Nos faz pensar o tempo todo: “e se tal personagem viesse pra essa realidade” ou “e se eu fosse parar em tal história”. Ansioso para ler os próximos.
    O livro é lindo, capa, artes, Cornelia manda bem em tudo, rs.

    Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>