Outras Mídias: A Mulher de Preto

Título: A Mulher de Preto

Título Original: The Woman in Black

Direção: James Watkins

País de Origem: Inglaterra

Ano: 2012

Duração: 120 min

Arthur Kipps é um advogado de Londres que tenta recompor a vida com seu filho de três anos após a morte de sua esposa. Ao receber um ultimato no trabalho, ele tem a chance de recuperar sua carreira e para isso tem que ir para o interior e trabalhar nos papeis da falecida dona da Mansão El Mash. Como um bom filme de terror clássico, A Mulher de Preto conta com mansões assombradas, segredos escondidos, mortes perturbadoras e claro, cenas de muito susto.

Não vou mentir: fui assistir esse fime porque Daniel Radcliffe fazia o papel principal. No entanto, valeu a pena por mais do que isso uma vez que o filme conta uma boa história e rende uns bons sustos e cenas de drama, como um bom filme de terror psicológico deve ser.

Na cidadezinha do anterior, Arthur Kipps se vê cercado de pessoas que desejam que ele vá embora. Mas é claro que ele não vai, afinal, terminar aquele trabalho é a última chance que tem para manter seu trabalho e consequentemente seu filho. Mas perdido (e quando digo perdido, é perdido mesmo. Afinal, a maré bloqueia a estrada para a mansão durante a maior parte do dia, de modo que não há como sair de lá durante horas) na mansão El Mash em meio a papeis antigos e fotografias, Arthur começa a perceber que coisas sinistras estão acontecendo nos arredores da casa e que a morte misteriosa de crianças da região podem estar ligadas ao fato. Numa trama cheia de cenas assustadoras, Arthur começa a buscar quem é a misteriosa figura da mulher de preto que aparece sempre que uma criança morre.

Ao contrário do que algumas críticas da internet apontam, Daniel Radcliffe não está numa atuação espetacular e madura nesse filme. Ele está numa atuação completamente normal e não muito diferente do que vimos dele nos últimos dois filmes da série Harry Potter. Isso não é algo ruim, visto que Radcliffe evoluiu como ator nessa época, mas não vi porque os críticos ficaram babando ovo numa coisa que não foi nada surpreendente. Eu acharia incrível se ele aparecesse numa comédia romântica ou coisa assim.

O filme é muito bom e gostei particularmente daquelas cenas em que você sabe que vai levar um susto mas o susto demora a vir e quando ele vem você pula na ponta da cadeira. Recurso clássico desde a época de Hitchcock, mas ainda super válido.

O tratamento dado ao sobrenatural no filme é mesmo aquele bem próximo ao gótico. Ou seja, o filme usa e abusa de construções antigas, paisagens sinsitras como cemitérios e criptas, além de contar com personagens melancólicos e franzinos que frequentemente têm problemas familiares sérios e segredos escondidos. Mas não se enganem: apesar de clichê, o filme é bom e não é cansativo.

A Mulher de Preto é baseado no livro homônimo de Susan Hill.

Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

12 Responses to “Outras Mídias: A Mulher de Preto”

  1. Ai, esse filme parece tão bacana! Eu geralmente não gosto de filme de terror, mas quando é mais assim, digamos, “discreto”, eu acho muito interessante. Fico curiosa para ver o ator fora de Harry Potter também, mas se ele não está muito diferente, hehehe…

    Responder
    • Liége, esse filme é mais tranquilo sim. É daqueles filmes que só tem susto e nada de sangue ou coisas horríveis. Vale a pena ver.

      Quanto ao ator, ele não tá diferente de HP porque o papel não é muito diferente, sabe. O Arthur Kipps é um curioso corajoso como Harry então não entendi porque disseram que era uma atuação extremamante diferente e madura. Seria, se fosse algo totalmente fora do comum de HP!

      Responder
  2. Eu to doida pra ver esse filme.
    Uma curiosidade: tu sabia que na primeira versão de A mulher de preto o Arthur foi interpretado pelo ator que fazia o pai do Harry nos filmes de HP? =D

    Responder
    • Mi, eu não sabia que tiha uma primeira versão desse filme! E que coisa hein, super curiosidade essa.

      Quanto ao filme, você vai gostar!

      Responder
  3. Eu vi o trailer desse filme e gostei bastante. Eu amo filme de terror e esse suspense que voce sabe que vai vim e mesmo assim voce se surpreende é como um vício.
    Eu acho que o que a critica quer dizer é, “ora antes ele estava fazendo filmes para ‘criança’, agora adulto fazendo papel em um filme de terror interpretando um advogado é claro que ele esta mais maduro”, essa gente hein vou te contar.
    Vou ver assim que der.

    Responder
    • Ju, vale a pena ver. E realmente, sustos são vícios. Mas eu sofro demais assistindo esses filmes, sempre acabo tendo um ataque de nervoso. Nesse filme mesmo comecei a comer balas compulsivamente para aguentar o suspense. hahahaha

      Realmente, essa crítica dá preguiça. A qualidade de atuação dele é a mesma, não vi porque o tal adjetivo “maduro”. Só posso ser pelo que você falou mesmo.

      Responder
  4. Oi Mel,
    Adorei a sua crítica, principalmente a sua sinceridade sobre a atuação do Daniel Radcliffe.
    Estou tentando conseguir um exemplar do livro que deu origem a esse filme. Sou meio medrosa para filmes de terror, então vou ficar com o livro mesmo! hehehe
    beijos
    Camis

    Responder
    • Camis, esse filme é bem tranquilo. Não tem sangue nem nada horrível (só tem uma cena de sangue, mas é por conta de uma pessa doente). Só as aparições da mulher de pedro mesmo. Mas leia o livro, imagino que deve ser bom também. Aí espero sua resenha! 🙂
      bjs

      Responder
  5. Realmente, o Radcliff(escrevi certo?) não é bom mesmo. No maximo chega a ser regular. Acho que o Ralph Fiennes e o Alan Rickman são um dos unicos grandes atores da série…

    Responder
    • Nossa, Ralph Fiennes e Alan Rickman são fantásticos! Mas eu também acho que a Imelda (que fez a Umbridge), o Gary Oldmand (Sirius) e o David Thewlis (Lupin) foram muito bem! Inclusive Emma Watson e Rupert Grint se mostraram atores muito bons. O Daniel é esforçado, não tenho dúvidas, mas falta nele aquele talento que diferencia. Imagino que ele terá uma boa carreira sim na Inglaterra (onde todos os filmes e séries têm sempre os mesmos atores… rs), mas nada excepcional ou brilhante.

      Responder
  6. Assisti hoje (24/03), e adorei. Não achei tão assustador apesar de algumas cenas serem bem apavorantes com direito a gritos e risos estéricos. kkkkkkkkkk… Um ótimo filme e um final lindo. Triste, mais lindo. *-* #Recomendo E algumas cenas também me remeteram a HP, achei um pouco similar.

    Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>