Banshee – Os Guardiões

Título: Banshee – Os Guardiões
Autor: C. A. Saltoris
Ano de publicação: 2013
País de origem: Alemanha (a autora é brasileira, mas mora lá!)
Número de páginas (em pdf): 230

Olá, leitores do Livros de Fantasia! Eu, colunista meio sumida, estou de volta, dessa vez para resenhar mais um livro nacional.Já faz um tempinho que a autora C. A. Saltoris entrou em contato com a gente, perguntado se poderíamos desenvolver uma parceria com ela. Eu aceitei a “tarefa” de ler o livro dela com gosto, embora tenha demorado para termina-lo mais do que gostaria, por conta dos compromissos de final de bimestre no colégio onde trabalho. Mas, chegou o dia, finalmente, de postar a resenha! Sendo assim, apresento a vocês Banshee – Os Guardiões, um livro de fantasia de uma autora independente nacional!

Banshee – Os Guardiões conta a história de Brianna, uma jovem de 19 anos que vive uma vida um tanto quanto conturbada na Terra. É que Brianna não sabe quase nada sobre suas origens, sabe pouquíssima coisa sobre seus pais, e ainda acredita sofrer de esquizofrenia, por ter supostas alucinações e sonhos perturbadores. No início da história, encontramos Brianna vivendo com dois tutores – Cleona e Iollan – e contando a eles que contratou um detetive particular para descobrir algo sobre si. Os resultados foram quase nulos, o que a deixou mais frustrada ainda.

Em certo momento, no entanto, Brianna acaba por descobrir que suas origens são um pouco mais “complicadas” do que ela pensava. A menina nasceu em outro planeta – Banshee – e é, na verdade, a princesa de lá. Seus pais foram sequestrados e mortos em uma guerra entre forças opostas que ainda assola seu planeta natal, e ela precisa voltar, e de repente se tornar a rainha forte e destemida da qual Banshee tanto precisa.


A partir daí, o livro segue os esforços de Brianna para assumir essa difícil e inesperada responsabilidade, unindo povos que estão separados e aprendendo a guerrear para liderar seu exército – afinal, Banshee é um planeta com uma tradição de certa forma matriarcal, com rainhas guerreiras e amazonas. No meio dessa complicação toda, Brianna ainda tem que lidar com sentimentos novos em relação a duas pessoas especiais para ela.

O enredo de Banshee é conciso e redondo, e empolga. A autora C. A. Saltoris misturou mitologias e culturas variadas (encontramos traços da mitologia grega, celta, egípcia, brasileira, traços de paganismo e wicca, entre outros elementos) e conseguiu dar um motivo para isso, entrosando as coisas de forma orgânica. Não senti artificialidade nesse sentido, e achei o uso desses elementos criativo dentro da história. Brianna é uma personagem cativante em certos pontos, e em outros aparece um pouco imatura, o que achei natural, pois a responsabilidade grande expõe as dúvidas e inseguranças da jovem. Dois outros personagens que têm bastante destaque são o general Lugh e o tenente Cahan, ambos com personalidades bem distintas. Achei Lugh mais interessante com seus conflitos e background sendo mais bem desenvolvidos. Também tenho que chamar atenção para os cavalos falantes. Eu amei os cavalos falantes. Quero um agora, por favor. Confesso, contudo, que gostaria de ter tido mais aprofundamento nas motivações de todos os personagens (porque eu sou a louca dos personagens e sempre quero saber mais sobre eles).

É aí que tenho que tocar no ponto da minha única ressalva com Banshee: o desenrolar rápido da história. Eu gostaria que algumas partes tivessem sido mais pausadas, gostaria de ter tido mais “proximidade” com alguns personagens e situações. Isso parte um pouco de um gosto pessoal meu – ao ler, eu prefiro um desenvolvimento mais lento, ao passo que eu sei que algumas pessoas não se importariam com esse ritmo mais veloz. Mas eu acredito que um pouco mais de “parcimônia” teria favorecido o enredo e os personagens. Principalmente Brianna. Ela, de um dia para outro, sai da Terra e volta para o lugar onde nasceu, precisando aprender coisas com as quais não tem a mínima familiaridade. Achei que ela aprendeu certas coisas com muita rapidez e cativou seu povo com muita facilidade. Eu sinceramente esperava um pouco mais de resistência e dificuldade, ainda mais por causa da juventude e inexperiência da protagonista.

Algumas cenas também foram prejudicadas por conta da rapidez: a passagem no país das fadas, Ennisfee, e certos elementos do final. Não foi o suficiente para estragar o desenvolvimento da história, não, mas seria legal que houvesse um aprofundamento maior.

O legal de tudo isso é que a autora entrou em contato comigo e disse que estava desenvolvendo exatamente essa cena de Ennisfee e mudando algumas que acredito que serão muito legais para a trama, por exemplo: Brianna vai ficar mais velha, junto com outros personagens (o que acho muito coerente com as atitudes dela).

Concluindo, Banshee – Os Guardiões (vocês terão que ler para descobrir o que são os guardiões!) é um livro criativo, envolvente e que desperta a nossa curiosidade. Tem de tudo um pouco: aventura, romance, humor… o que acho muito positivo. A escrita de C. A. Saltoris tem qualidade e potencial, e acredito que vá estar ainda melhor no segundo livro da série, pelo qual estou esperando! Existem alguns erros de revisão no livro, mas isso é normal para quem publica independentemente (eu que sei!).

O livro pode ser encontrado na Amazon e no blog da autora você encontra mais informações sobre Banshee e seus personagens!

Banshee é uma leitura que eu recomendo, e se você curte histórias que vão direto ao ponto, tenho mais certeza ainda de que você vai gostar. Deixo meus parabéns à autora pelo trabalho de fôlego e pela história envolvente. Banshee me fez mais feliz em um período de stress e complicações. Estava precisando de um livro leve, com doses de humor e romance!


 

11 Responses to “Banshee – Os Guardiões”

  1. Melissa de Sá

    Liége, é sempre bom ter você de volta com as suas colunas!

    Gostei da resenha e dos pontos que você destacou. Realmente, escrever um livro sozinho é uma tarefa difícil e o importante é ter foco e ter em mente que podemos melhorar sempre. Ao que parece, a C. A. Saltoris está disposta a isso.

    Também sou fã de livros mais lentos, gosto de saber as motivações dos personagens e gosto de ter reações bastante detalhadas. Pra mim, quanto mais melhor. Mas sei que existe gente que gsota do rítmo mais frenético de algumas narrativas. É uma questão de estilo em alguns níveis.

    Eu não sabia que a autora morava na Alemanha. O exemplar que você leu foi em ebook?

    Responder
  2. Liége Báccaro Toledo

    Melissa, que bom que você gosta das minhas colunas. Fico feliz mesmo.

    Você tem razão sobre essa questão da publicação, Melissa. Eu sinceramente me identifiquei com o processo da Saltoris (trocamos mensagens por e-mail), porque escrever um livro sozinho é realmente difícil. Nós cometemos deslizes e não temos o distanciamento para perceber tudo, não adianta. Muitos autores aconselham que se tenha leitores beta ou se faça uma leitura crítica, mas nem sempre podemos contar com essas coisas. Eu, por exemplo, não conheço ninguém que tenha tempo ou disposição de ler meu livro nesse sentido, como beta (a não ser meu marido, mas a leitura dele é emocional, né? Ele me dá conselhos, mas tende a gostar muito do que eu escrevo) e nem tenho condições de pagar por uma leitura crítica ou revisão, por enquanto. O que resta mesmo é dar a cara a tapa e publicar, e a partir daí melhorar e desenvolver a história seguindo comentários de leitores. Eu fiz isso, assim como a C. A. Saltoris, tanto que o Clube de Autores já recebeu cinco versões diferentes de O Enigma da Lua, com correções e acréscimos. E ainda falta coisa…

    A Saltoris é uma pessoa aberta, consciente, e está mesmo disposta a melhorar (além disso, tem ideias muito interessantes para a continuação!). Acho isso muito bacana. Achei interessante, também, que comparei com a minha leitura de O Inverno das Fadas, que recebeu tratamento editorial completo, e achei Banshee melhor. Então acho que é questão de aparar arestas mesmo.

    Responder
  3. Liége, eu preciso agradecer a você por ter lido meu livro e ter deixado uma resenha que, realmente, me fez muito feliz. 🙂 É muito difícil, muito difícil mesmo escrever um livro sozinha e quando se encontram pessoas como você, a gente tem mesmo é que agradecer aos Deuses. 😉 Bem, muitas coisas eu já mudei, outras eu provavelmente vou aprofundar baseado no que você disse, porque eu já percebi que temos visões muito parecidas.

    Muito obrigada, de coração!
    Abraços enormes,
    C. A. Saltoris

    @Melissa, sim, eu moro na Alemanha vai fazer sete anos esse ano. Os livros estão sendo traduzidos para o alemão.

    🙂

    Responder
    • Liége Báccaro Toledo

      Eu é que agradeço, imagina! Tudo o que eu falei é verdade, e estou ansiosa para ler o segundo!

      Um grande abraço e parabéns pelo trabalho!!

      Responder
  4. Mais uma vez, eu quero agradecer a Liége pela resenha e informar aos leitores do Livros de Fantasia que a Trilogia da Salvação será publicada (por vias tradicionais) pela Editora Selo Jovem no início de 2014!

    Sejam bem-vindos ao blog a qualquer hora.

    E muito obrigada mesmo!
    Abraços,

    C. A. Saltoris

    Responder
    • Puxa, que notícia boa!! Meus parabéns, Ariane! Desejo todo o sucesso para você e creio que Banshee tem tudo para se tornar um sucesso! Vou procurar comprar quando lançar em 2014, assim eu já posso ler as mudanças no papel também!!

      Parabéns mais uma vez! Fico muito feliz mesmo por você!

      Responder
  5. Ah, não, Liége, o seu não! O seu é de presente! Faço questão! De verdade mesmo! Sem a sua resenha, eu, provavelmente, não teria tido METADE das ideias que eu tive. Não, não! Ele vai de presente pra vc! 🙂

    Eu posto aqui no blog a data de publicação e você me manda o seu endereço por e-mail! ^^

    Já tem capa. Postei no blog.

    Abraços 🙂

    Responder
    • Ah, puxa, Ariane. Quase chorei aqui. Eu fico muito feliz de ter ajudado, sério mesmo. Fazer parte disso nem que seja um pouco é uma honra. Que Banshee faça muito sucesso!!!

      Eu vi a capa e ficou LINDA!!!

      Beijos e muito obrigada mesmo.

      Responder
  6. É de coração mesmo, Liége! ^^

    Depois vou querer saber o que você achou das mudanças. Brianna envelheceu sete anos! É muita coisa! E os unicórnios tem nome: Nephumá e Anayún. Muita coisa nova, mas a mesma história!

    É o Aldemir Alves faz capas MARAVILHOSAS!!!!

    Beijos! <3

    Responder
    • Liége Báccaro Toledo

      Pode deixar que eu falo com certeza! Estou ansiosa para conferir essa nova versão!!

      A capa ficou mesmo linda!

      Beijos e muito sucesso!

      Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>