Guardians Volume 1

Título: Guardians

Autora: Luciane Rangel

Ano de publicação: 2010

País de origem: Brasil

Editora: Lexia – 359 páginas

No mundo de Guardians, uma barreira frágil é o que separa nosso mundo do mundo dos youkais. A fim de evitar que a estrutura se rompa e nosso mundo seja inundado por seres das trevas, doze guardiões devem defendê-la. Numa mistura com forte influência oriental, Luciane Rangel constrói sua própria história de defensores da Terra que correspondem aos signos do zodíaco. Se ela conseguiu fazer algo interessante? Sim, e algo bastante divertido também.

Essa resenha é mais uma da série “perdi quando o blog deu pau ano passado e agora estou reescrevendo”. Já fazia um tempo que eu ouvia falar de Guardians (e sempre ouvi coisas boas) e ano passado finalmente resolvi comprar o livro através do blog da autora Luciane Rangel. Logo que o volume chegou lá em casa (autografado, inclusive), comecei a ler e me envolvi bastante na trama dos doze guardiões.

A história começa com Anne, uma brasileira que vive com uma figura paterna violenta num clima de insegurança e hostilidade. Anne se vê arrancada de sua vida habitual e lançada em meio a uma grande revelação: ela é a guardiã do signo de Cãncer e como tal deve fazer um treinamento e entrar para uma equipe que tem como objetivo fechar a barreira entre os mundos de uma vez por todas.


A trama deslancha a partir daí e o foco narrativo deixa de ser somente em Anne e o leitor passa a conhecer os outros guardiões. São doze, obviamente, e para mim parece uma loucura como Luciane conseguiu fazer uma história com doze protagonistas e desenvolvê-los bem. Todos eles têm um background bastante sólido e apesar de serem um tanto caricatos por representarem o signo do zodíaco a que pertencem, em nenhum momento os achei chatos. Pelo contrário, fiquei muito empolgada com Shermmie (Leão), Micaela (Gêmeos) e a própria Anne.

Apesar da pegada de aventura que está presente no livro todo, Guardians é também um texto muito engraçado. As brigas de Mau com Shermmie são simplesmente impagável e várias passagens me fizeram rir bastante. O relacionamento lésbico de Micaela com Maire e de Gautier (mentora) com Hayato (Sagitário), um rapaz bem mais novo que ela, mostra que essa série não tem medo de abordar temas mais polêmicos com naturalidade. Inclusive, o passado de todos os personagens vai sendo relevado aos poucos e o leitor vai montando um quebra-cabeças de porque as coisas estão caóticas do jeito que estão para os guardiões…

Ah sim, porque está tudo bastante caótico. Gautier, a antiga guardiã de Áries (mãe da atual guardiã de áries, inclusive) está completamente obcecada com o fechamento da barreira (visto que os guardiões da sua geração falharam nessa missão) mas também convicta de que Anne é uma farsa e que não é a guardiã de Câncer. O clima tenso na base faz com várias brigas surjam e aí está o fator mais interessante de Guardians: como fazer com que o um grupo de 12 pessoas, muitas delas que nunca se viram, estejam dispostas a trabalhar em conjunto por um bem maior?

Gostei bastante da leitura desse livro, apesar de achar que ele poderia ter passado pela mão de um editor/revisor crítico a fim de deixar o texto realmente no ponto (algumas passagens foram muito rápidas outras precisavam de um retoque), mas isso de forma alguma prejudicou a leitura que foi bem legal. Pretendo ler a continuação (a série tem mais dois volumes que já foram publicados) assim que puder.

Para quem gosta de aventura e curte fantasia com uma pegada mais oriental, leia Guardians. Para comprar o livro, é só clicar aqui.

Ah, tem uma resenha super detalhada em áudio feita no Autores Independentes clicando aqui. Recomendo também.


Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>