A Torre Árabe

Título: A Torre Árabe

Autor: Roberta Spindler

Ano de Publicação: 2012

País de Origem: Brasil

Editora: Draco – 31 páginas (ebook)

O clima é apocalíptico. Um véu estranho e espesso cobre a terra. Poucos sobreviventes. Uma garota ousada numa missão aparentemente impossível. Tensão. Ação. Aquela coisa de ficar na ponta da cadeira. Em “A Torre Árabe”, Roberta Spindler conseguiu criar em poucas páginas um clima pós-apocalíptico certeiro, bons personagens e uma trama excelente.

O véu estranho que mencionei na verdade trata-se de um misterioso gás venenoso que, ao sair das profundezas da terra,  tomou conta da superfície do planeta. Para sobreviver, as pessoas fugiram para as montanhas ou mesmo para os arranha-céus das grandes cidades.  O problema é que gente sobreviveu na névoa, pessoas mutantes que emanam um brilho azulado dos olhos, os Sombras. E eles andam sequestrando a galera “normal”. O mundo é um lugar perigoso. 175 anos após o véu, Beca se arrisca numa missão para resgatar um Cubo de Luz, uma fonte de energia, mas tem que ficar atenta ao véu e é, claro, ao perigo dos Sombras.


Nas férias desse ano, me dei ao luxo de ler dois livros (vocês já sabem, mestrado e não tenho tempo e bla bla bla). Acabei comprando os dois numa promoção da Editora Draco e junto com eles, ganhei um ebook da série Contos do Dragão. Era possível escolher entre uma série de títulos e eu escolhi esse conto da Roberta Spindler porque já tinha ouvido falar muito bem dessa autora e queria muito ler algo dela. Sinceramente? Eu não esperava que fosse tão bom. Eu simplesmente fiquei hipnotizada com a escrita e a trama de “A Torre Árabe”.

Beca é uma personagem bastante crível. Uma jovem com poderes extraordinários (ela é uma saltadora) que se acha um bocado, mas que entra em conflitos interessantes tanto a nível físico quanto psicológico. Beca está atrás do Cubo e vai roubá-lo de um arranha-céus. O pai e o irmão de Beca ficam na base, dando-lhe coordenadas enquanto a moça se mete em lugares perigosos, cheios de criaturas das Sombras. Mas o pior é quando ela percebe que não está sozinha na tentativa de roubar o Cubo… alguém chegou lá primeiro!

O conto tem um ritmo excelente, que não perde muito tempo com explicações desnecessárias e vai direto à ação. A sensação que temos é de imersão total: estamos naquele mundo, estamos sentindo o perigo. Personagens secundários como Rato são ótimos e bem desenvolvidos e o final do conto me deixou simplesmente pasma. Fiquei com vontade de ler outras histórias desse universo que a Roberta criou. A trama política foi muito interessante bem como a tensão entre os personagens. A escrita da autora é super fluida; ela tece a história de uma forma muito cativante.

O que é a torre árabe do título? O que é o Cubo? Por que tanta gente está querendo roubá-lo? Isso vocês vão descobrir lendo esse conto.

Onde comprar: Amazon | Kobo | Google | Saraiva

Recomendadíssimo!


Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

5 Responses to “A Torre Árabe”

  1. Menina, que resenha instigante. Deu vontade de ir na Amazon agora, comprar e ler! Acho que vou ceder ao impulso e fazer isso mesmo!
    A Roberta é ótima, escreve muito. Dela “só” (é enorme!) li seu romance, Contos de Meigan, que é incrível e eu estou doidona esperando a sequência. A escrita dela é apaixonante. Quando lembro que vou estar em uma antologia junto com ela fico super honrada! 😉

    Responder
    • Melissa de Sá

      Faça isso que você não vai se arrepender!

      Eu gostei muito da escrita da Roberta, ela realmente tem muito domínio do que faz. Mal posso esperar para ler Contos de Meigan.

      Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>