Top 5 Melhores Livros Lidos em 2013

O mês ainda não acabou e ainda dá tempo de manter a tradição deste blog que é a de postar a lista dos 5 melhores livros que li no ano. Para acessar as listas dos anos anteriores é só clicar aqui e aqui.

Em 2011, o topo da lista ficou com a distopia de Suzanne Collins, Jogos Vorazes, e em 2012 o posto foi para Crônicas do Matado do Rei – Dia Um: O Nome do Vento. Como sempre, apresento uma ideia geral do livro seguida da pergunta “O que me supreendeu?”. Curiosos?

Não li tanta ficção quanto gostaria nesse ano por causa do mestrado (só nos livros teóricos), mas enfim, eu não podia deixar de fazer essa lista.

5. “A Torre Árabe”, de Roberta Spindler

Comprei esse conto despretenciosamente porque tinha uma ideia de apocalipse e vocês sabem que eu gosto do assunto. E eu li desesperadamente. Esse foi um ano em que li mais contos em toda minha vida, jsutamente porque não tinha tempo para ler coisas mais longas. Li muita coisa boa e dentre eles alguns que me marcaram. E “A Torre Árabe” foi um desses. Ele me fisgou e como é vendido separadamente em formato ebook solo, ele conta como livro na minha cabeça. rs

O conto começa falando da névoa misteriosa que saiu das profundezas do planeta e evenenou todo mundo. Os sobreviventes foram para lugares altos, longe da névoa maligna, e se desenvolveram por lá. Mas seres estranhos povoam a névoa, os Sombras. E sim, eles são perigosos e atacam pessoas. A protagonista dessa história é Beca,  uma jovem audaciosa e corajosa (e um tanto metida rs), que vai roubar um Cubo de Luz (uma fonte rara de energia nesse mundo). Só que em meio a essa missão arriscada (já que ela envolve entrar no domínio dos Sombras), Beca vai acabar descobrindo algumas coisas sobre o mundo em que vive. Dentre elas, sobre a Torre Árabe.

O que me surpreendeu?

O final. O que foi aquele final? Eu ficava olhando pro meu e-reader, incrédula, chocada com o que a Roberta tinha feito comigo. Olha, eu sou uma leitora esperta, daquelas que costuma sacar as dicas, adivinhar motivações de personagens… mas dessa vez? Não peguei. E adorei!

4. “A Dama das Ameixas”, de Karen Alvares

É um conto de novo (outro que é vendido em formato ebook solo), mas é um conto maravilhoso. Quem me acompanha nas redes sociais sabe que vivo falando dele. Mas é porque é bom. De verdade. Uma história sensível e lindamente trágica. #lágrimas

Eleonora é a personagem principal, que já no começo do conto nos diz que tem apenas 30 dias para viver. Ela volta para visitar o pai depois do que parece ser um longo tempo e é possível perceber de cara que os dois têm um grande segredo. Eleonora é melancólica, bastante silenciosa, e quando conhece Ezequiel tem pela primeira vez a chance de fazer um amigo. O resto eu não vou contar porque é spoiler. Mas leiam!

O que me surpreendeu?

Como a Karen conseguiu fazer uma história tão sensível e tão intensa em tão poucas páginas. Eu tive o prazer de revisar esse conto e da primeira vez não consegui me concentrar na revisão porque queria continuar lendo… No final, fui simplesmente arrebatada.

Tem resenha do conto aqui.

3. Sangue de Tinta, de Cornelia Funke

Um segundo volume de série superar o primeiro? Pois é, isso é difícil, mas foi o que aconteceu em minha leitura de Sangue de Tinta. Depois do maravilhoso Coração de Tinta, eu fiquei bastante receosa com a continuação. Como superar aquele mundo de palavras e cenários incríveis que Cornelia Funke nos deu no primeiro volume? Como pensar agora em acontecimentos posteriores numa trama tão fechadinha quanto foi o livro anterior? Mas Cornelia Funke é Cornelia Funke e ela se superou nos fazendo voltar a acompanhar Meggie, Mo e Elinor e o maravilhoso mundo do livro que rodeia a vida deles, Coração de Tinta.

Okay, não vou ficar aqui contando muito da trama porque isso seria dar spoilers de Coração de Tinta. Mas vou adiantar as linhas gerais da história: Mo, pai de Meggie, tem a habilidade de trazer à vida o que lê. Por isso, ele nunca lê em voz alta. Ele se dedica aos livros de outra forma, restaurando e consertando examplares. Meggie ama ler e é uma apaixonada pela palavra escrita, mas não entende porque seu pai sempre está à procura de um livro raríssimo: Coração de Tinta. Mas a chegada de um estranho conhecido na casa deles certa noite, muda tudo. Coração de Tinta é a história da busca do livro Coração de Tinta e as consequências dos poderes de Mo… Em Sangue de Tinta, os personagens têm que lidar com as consequências do que fizeram antes e Meggie começa a desenvolver suas próprias habilidades especiais… Mal posso esperar pelo último livro, Morte de Tinta.

O que me surpreendeu?

Como Cornelia Funke conseguiu amadurecer seus personagens de forma tão incrível. Meggie, Mo, Elinor, Fenoglio… todos eles são maravilhosamente desenvolvidos em Coração de Tinta, mas em Sangue de Tinta eles são ainda mais explorados. Adoro personagens e nessa série todos eles são muito bem escritos. Sabemos suas motivações, interesses, medos… Eles não são perfeitos, eles são reais. E por isso são capazes de nos emocionar tanto.

Sangue de Tinta está resenhado aqui no blog. Só clicar aqui.

2. Crônicas de Atlântida: O Tabuleiro dos Deuses, de Antonio Luiz M.C. Costa

Quando peguei esse livro para ler, esperava que fosse me deparar com uma história interessante sobre Atlântida. Mas eu surpreendi. O mundo criado por Antonio Costa é de fazer páreo com Tolkien (no sentido dos detalhes e completude, porque no resto não tem nada a ver). Cada vez mais eu queria saber as tramas daquele universo, com sua cultura tão diferente do nosso. Eu ficava intrigada com as descobertas de Sistu, com raiva das politicagens de Atlântida, curiosa para saber a origem dos poderes de Tiakat e encantada com a delicadeza das histórias da terra natal de Tjurmyen…

A trama começa bem simples: Sistu, cansado de ser visto apenas por seu físico, desiste da carreira militar e vai embora de sua cidade natal com Tiakat, uma xamã extraordinária e sua melhor amiga. O destino é Atlântida. Sistu e Tiakat, como os jovens talentosos que são, querem conhecer o mundo, encontrar o que realmente querem ser… Mas algumas coias estranhas os rodeiam: Sistu tem umas espadas incríveis, herança de um tio. Logo, logo o leitor percebe que elas são raras e de um valor absurdo. Como assim estariam na mão de alguém tão jovem como Sistu? Quem era esse tal tio, afinal? Tiakat é absurdamente poderosa, tendo superado sua mestra nas artes xamãs. Quanto mais os dois se aproximam de Atlântida, mais eles percebem que seus talentos excepcionais não são mera coincidência. Mas nenhum dos dois está disposto a cumprir um papel predeterminado no jogo dos deuses…

O que me surpreendeu?

O mundo criado pelo autor: o quanto ele é coeso e coerente dentro do que se propõe. Novas culturas são criadas e vários personagens têm ações bastante diferentes da nossa cultura ocidental. Mas os personagens funcionam, entendemos suas motivações e anseios, eles convencem em suas propostas diferentes. E isso pra mim é essencial. Se um novo paradigma está sendo criado, tudo bem, mas ele tem que me convencer. E Crônicas de Atlântida: Tabuleiro dos Deuses me convenceu. Não imaginei que gostaria tanto do livro.

Tem resenha dele aqui.

1. A Idade dos Milagres, de Karen Thompson Walker

Esse livro não é um boom, não foi mega comentado nos blogs literários mas foi o livro que mais me impactou em 2013. E eu ainda fico me perguntando porque ninguém leu. Porque eu quero comentar! Impecavelmente escrito e conduzido. Sem tirar nem por. Uma mistura muitíssimo emocionante de romance de formação (coming of age narrative, quando acompanhamos o amadurecimento de um protagonista ao longo da narrativa; sua saída da infância/acolescência para idade adulta) com ficção especulativa. Personagens críveis, drama, um mundo à beira do desastre, uma adolescente confusa… Não tem como eu não amar esse livro.

A Idade dos Milagres conta a história de Júlia, uma adolescente da Califórnia completamente comum que vê seu mundo literalmente girar quando um evento catastrófico afeta a vida de todos: o planeta está desacelerando. E ninguém sabe o porquê. Isso mesmo, a rotação da Terra vai ficando mais lenta e Júlia nos narra os efeitos disso. Os dias ficam mais longos, o horário do relógio não acompanha mais o horário “real”. As pessoas ficam confusas. O que fazer? Pássaros morrem, lugares indundam, o campo magnético do planeta é alterado e ninguém consegue mais jogar baseball. Mas se você está esperando uma ficção científica bem louca, pare por aí. O foco é nos sentimentos de Júlia, seu modo de ver o mundo, sua percepção e sua vida.

O que mais me surpreendeu?

Como Karen Thompson Walker conseguiu contar essa história tão incrível de uma forma tão sensível e ao mesmo tempo tão impactante. O livro não tem ação, não tem mistério, se sustenta apenas nas observações e nos problemas pessoais de uma adolescente que é testemunha de um vento de escala mundial. Essa preocupação com o privado em detrimento do coletivo é incrível no livro. Nada de foguetes mandando Bruce Willis soltar uma bomba que vai reativar a rotação da Terra. Em A Idade dos Milagres catástrofes são o que são: catástrofes que afetam pessoas.

Tem resenha do livro aqui, feita pela Jéssica.

E só pra registrar: eu terminei o livro em prantos.

.

Ao contrário do que muita gente pensa, eu leio livros que não são de fantasia/ficção científica/ficção especulativa/terror. hahahaha Eu fiz uma lista de minhas leituras gerais no meu blog pessoal, o Mundo Mel. Vocês podem dar uma olhada lá também clicando aqui.

E vocês? Quais foram suas melhores leituras do ano passado?

Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

6 Responses to “Top 5 Melhores Livros Lidos em 2013”

  1. NHAIM que orgulho de estar nessa sua lista, Mel! Eu sei como você é exigente, então… AAAAHHH! Que lindo! Obrigada, lindona! Fico tão feliz quando você fala assim de A Dama das Ameixas. *_*
    Fiquei curiosíssima para ler os outros títulos. A Roberta eu já conheço e os dedos coçam para comprar esse conto dela (você precisa ler Meigan!). Não conhecia “A Idade dos Milagres”, vou procurar adquirir. E também preciso conhecer o livro do Antonio, você fala super bem dele sempre! Coração de Tinta eu tenho no meu Kindle, preciso ler e depois ler o próximo. Aaaaaaaaahhh você incluiu mais livros na minha pilha enooorme! O_o

    Responder
    • Melissa de Sá

      Mais que merecido, você sabe que não sou de favoritismos. 🙂 Mas eu gosto demais desse conto.

      E leia o conto da Roberta sim, é muito bom. Nâo vejo a hora de poder ler Meigan!

      Pois é, “A Idade dos Milagres” não bombou apesar de ser um escelente livro YA. Eu acho que vou vai gostar, principalmente por conta do caráter sensível da história. Pra mim esse livro merece muito mais atenção por parte da blogosfera literária.

      A cada post que a gente lê, a lista só aumenta. É a nossa bênção e a nossa maldição.

      Responder
  2. Eu li A Dama das Ameixas, Melissa, e concordo com TUDO o que você disse. Que história linda!! E triste também… mas amor e tristeza combinam, fazer o quê… é uma história carregada de sensibilidade mesmo.

    Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>