A polêmica de J.K.Rowling sobre Ron e Hermione (e porque amamos o Ron)

Semana passada, vários sites de notícia do mundo anunciaram a seguinte declaração de J.K.Rowling: a autora se arrependia de ter colocado Ron e Hermione juntos (clique aqui para ler em português e aqui para a versão em inglês). A  notícia caiu como uma bomba no fandom da série que desde 2007 não vivenciava uma guerra de shippers (apoiadores de um casal) nessas proporções.

Twitter, Facebook, Tumblr e sites relacionados (ou não) à série foram inundados com manifestações dos fãs.  A maioria, achando um absurdo tal constatação visto que a própria J.K.Rowling já tinha defendido o casal Ron e Hermione em entrevistas anteriores. O texto completo da entrevista com a tal alegação de arrependimento foi divulgado apenas na última quinta-feira (06/02) e apesar do tom ser muito menos alarmente do que anunciado pelos jornais, Rowling dá algumas declarações bem controversas a respeito de Ron, um dos personagens mais amados da série.

Entenda nesse post o que foi que realmente aconteceu, o que Rowling disse, porque um escritor não é a fonte mais confiável para analisar a própria obra e porque Ron Weasley é um dos personagens mais fascinantes da série Harry Potter.

A polêmica

No dia 1º de fevereiro as primeiras notícias começaram a aparecer. Eu fiquei sabendo através deste link, compartilhado no Facebook no grupo fechado de fãs da série que participo (que inclui as meninas do Por Essas Páginas também). Minha reação inicial foi de que era um fake. No entanto, com o passar das horas, nenhuma declaração oficial foi feita por parte de J.K.Rowling (que é conhecida por refutar rumores e inclusive processar difamadores) e nos dias seguintes a notícia foi parar até no Pottermore, que é, afinal, o site oficial de Rowling sobre a série. Então sim, a declaração de Rowling era aparentemente verdadeira.

As citações divulgadas da entrevista foram (cito aqui como está no link da Folha de São Paulo):

Eu escrevi a relação de Hermione e Ron como uma forma de realização de um desejo. Por razões que têm pouco a ver com a literatura e muito mais a ver comigo, e meu apego à trama que havia imaginado, Hermione terminou com Ron.

Eu sei, me desculpe, eu posso ouvir a raiva e a fúria que isso pode causar em alguns fãs, mas estou sendo absolutamente honesta, a distância me deu uma perspectiva sobre isso. Foi uma escolha que eu fiz por razões pessoais, não por razões de credibilidade.

Mas o pior realmente foi:

Eu acho que há fãs que sabem disso e que também pensam se Ron seria realmente capaz de fazer Hermione feliz.

Tudo ainda estava descontextualizado, uma vez que a revista Wonderland, editada por Emma Watson (que interpretou Hermione no cinema), só iria sair dias depois. Mas ainda assim as declarações eram bastante complicadas. Principalmente por colocar Ron num patamar inferior a Hermione.

Capa da revista Wonderland, co-editada por Emma Watson.

Os sites de notícia divulgaram tudo como se Rowling quisesse que o casal final fosse Harry/Hermione e vários apoiadores do casal se manifestaram na internet também. No entanto, quando a entrevista na íntegra saiu, vimos o que Rowling realmente disse (cito como está no link do site Potterish):

Em alguns sentidos, a Hermione e o Harry são um par melhor, e vou dizer uma coisa bem estranha. Quando escrevi Relíquias, eu senti isso fortemente quando a Hermione e o Harry estavam juntos na barraca! Não contei isso ao [Steve] Kloves, mas quando ele escreveu o roteiro, ele sentiu exatamente a mesma coisa exatamente no mesmo momento.

A mídia, como sempre, exagerou um bocado.

Mas aí temos o questionamento: durante sete livros, Rowling escreveu sobre o relacionamento de Ron e Hermione. Como eles superaram diferenças, como eles se entenderam, se desentenderam, como eles se tornaram pessoas melhores por causa da companhia um do outro (escrevi um post sobre Ron/Hermione. Leia aqui). Isso está lá. Está nos livros. Ninguém pode negar. Será que a declaração de Rowling muda do que ela escreveu?

Escritores não são fontes confiáveis

Não, não muda.

O que está escrito, está escrito, e nada que Rowling disser vai mudar isso. Imagine por exemplo que George Lucas dê uma entrevista agora dizendo que Han Solo e Leia não deveriam ter ficado juntos e que ela combinava melhor era mesmo com o Luke. O filme já está gravado, as cenas de Han e Leia estão lá, o espectador pode ver como eles se sentem um em relação ao outro. Há uma clara afeição que se torna amor, independente das brigas que eles têm. Então a declaração de George Lucas seria inútil, uma vez que os filmes já estão prontos e acabados, e o que ele fez não dá pra mudar. Com um livro é a mesma coisa.

John Green, escritor de livros YA, fez uma declaração no Twitter pouco depois da bomba potteriana, que pode ser lida como uma indireta sobre o assunto:

“Livros pertecem aos leitores”. Clique aqui para ver o tweet.

É isso mesmo, livros são dos leitores e não dos escritores. Depois de publicado, um escritor não tem mais controle sobre sua obra, ela está aberta à interpretação e pouca importa o que ele diz. Se Richelle Mead disser que sua série Academia de Vampiros foi inspirada em sua adolescência e que Dimitri é um carinha que ela gostava na época, QUE DIFERENÇA ISSO VAI FAZER???? Nenhuma. Zero. Nadica. Pra nós, leitores, Dimitri é Dimitri. Ele é um personagem independente, seus traços e características estão descritos ao longo dos livros. Tudo que precisamos saber sobre ele está lá.

Em estudos acadêmicos de literatura, a vida do autor não é levada em conta (salvo em casos de autobiografias, mas mesmo assim temos que ser muito suspeitos, pois mesmo uma autobiografia é algo não diretamente ligado ao real. O escritor pode iventar/mentir/alterar suas memórias). Vou dar o meu exemplo: eu faço mestrado em literatura de língua inglesa (vocês vivem me vendo reclamar disso aqui hahahaha).

Estudo a autora canadense Margaret Atwood, mais especificamente os livros Oryx and Crake e The Year of the Flood. O que eu estudo são os textos da autora. O que a Atwood diz ou deixa de dizer sobre sua obra não me importa academicamente. É irrelevante. O que ela escreveu, está nos livros. Pronto. É tudo que preciso saber para continuar meus estudos. Atwood já deu declarações dizendo que Oryx and Crake não é uma distopia. Sinceramente? Discordo plenamente. É distopia, inclusive uso teoria da distopia em minha dissertação. Autores não são as melhores pessoas pra falar de suas obras.

O crítico Roland Barthes tem um texto bastante famoso chamado “A Morte do Autor”. Nesse texto ele diz que, a grosso modo, é o leitor quem constrói o significado do texto a partir do que leu. Isso é bem verdade. Claro que a leitura não é livre. Não é possível dizer que O Senhor dos Anéis é uma releitura do Japão Feudal ou que, em Jogos Vorazes, Katniss agia por vingança. Essas ideias simplesmente não fazem sentido dentro do próprio texto!

Imaginem que um texto é um campo aberto: você pode se movimentar dentro dele. No entanto, esse campo possui algumas balizas, que te levam a determinados lugares e não a outros. As balizas te conduzem de uma forma sutil, não são como cordas que te amarram e não te deixam se movimentar pelo campo, e te levam até os pontos que você precisa ir. Fazemos assim com os textos que lemos. Podemos tirar nossas próprias conclusões, mas elas são sempre pautadas naquilo que o texto nos deu.

O que nos leva de volta a J.K.Rowling: ela pode dizer que Ron e Hermione não são um casal bom juntos, mas isso não muda o que ela escreveu. E o que está nos livros é um relacionamento pautado na amizade e no respeito, que se desenvolve ao longo de sete volumes até chegar num final onde os dois, maduros, são capazes de lidar com seus sentimentos. A série Harry Potter é também uma série sobre Ron e Hermione como casal e não importa o que Rowling diz. Importa o que ela escreveu.

Se ela baseou Hermione em si mesma e Ron em um amigo da adolescência do qual ela gostava, isso é irrelevante. Como eu disse antes, personagens são entidades separadas de seus escritores. Eles têm vida própria. Eles têm suas próprias histórias nas páginas dos livros.

E a máxima do House sobre pacientes pode ser usada aqui: escritores mentem. Todo mundo mente. Temos que nos basear em evidências.

Porque Ron Weasley é um dos melhores personagens da série

Mas o que mais me incomodou na entrevista de Rowling foi o modo como ela denegriu Ron. Colocando Ron abaixo de Harry e Hermione, como se apenas os dois últimos tivessem feitos grandes sacrifícios ao longo da série. Rowling pode dizer essas coisas, mas seus livros falam de uma história bem diferente.

A série Harry Potter traz em suas páginas também a história de Ron Weasley, um garoto com alguns problemas de aut0-estima, alguns preconceitos e inseguranças, que, ao longo de sete anos, se vê enfrentando seus dilemas mais pessoais em nome da lealdade a um grande amigo, Harry.

Ron enfrentou seu maior medo (aranhas) por esse amigo, venceu um jogo de xadrez gigante e se sacrificou no final para que seu amigo pudesse prosseguir, invadiu o Ministério da Magia também para seguir esse amigo, se envolveu em batalhas, deixou sua família para trás e em situações de perigo inúmeras vezes, abandonou tudo. Não é a toa que na prova do lago em Harry Potter e o Cálice de Fogo, Ron é a coisa da qual Harry mais sentiria falta, a coisa mais importante em sua vida.

E o mais incrível em Ron é que ele é alguém completamente comum. Diferente de Harry, o Menino Que Sobreviveu, compelido a vida toda a ser diferente, e Hermione, a bruxa mais brilhante da sua geração, Ron é como todos nós. E ele consegue ser extraordinário mesmo sendo alguém totalmente ordinário.

Ron tem medos, inseguranças, se sente desvalorizado. Ele é o humano no sentido mais comum que a palavra pode ter. Durante a leitura, conseguimos nos relacionar com Ron, entender seus problemas, simpatizar com suas dores. Ron não é perfeito: ele tem ciúmes, ataques de raiva, é infantil e imaturo. Mas quem não é? E a beleza de Ron Weasley como personagem é como ele consegue, aos poucos, superar tudo isso e se tornar um homem maduro em Harry Potter e as Relíquias da Morte.

Alguns podem dizer que Ron abandonou Harry e Hermione ficou (que é o que a própria Rowling diz). Mas no livro, temos a leitura forte de que o importante não foi que Ron foi, mas que ele voltou. Harry diz palavras muito próximas a essas e inclusive o Deluminator é a prova que Ron iria sempre voltar para Harry, seu melhor amigo. Ron é leal. Sempre foi. Qualquer um que tenha cometido um grande erro sabe o quanto é difícil admití-lo, voltar atrás, pedir perdão. Por isso, quando Ron reaparece no volume 7, calejado pelo mundo violento lá fora, sabemos o quanto ele cresceu e como ele finalmente superou seus medos. Ele aceita que seu papel é mesmo ser o amigo de Harry, que é mesmo ser sempre a sombra, que é não ser tão brilhante como Hermione, mas que mesmo assim, mesmo com tudo isso, ele ainda tem um papel a cumprir. Ele aceita que é Ron Weasley e que ser Ron Weasley também é importante.

É isso que está escrito nos livros. E vários sites de fãs têm demonstrado o fato, inclusive com citações detalhadas ao longo dos sete volumes.

Se Ron vai fazer Hermione feliz? Sinceramente? A Hermione dos livros parece bem feliz de estar com Ron, que se torna um homem maduro, não necesariamente um homem perfeito. Ron/Hermione sempre foi um relacionamento real: de pessoas que se amam, mas brigam, se magoam e depois pedem desculpas. Ser feliz num relacionamento não significa ter uma pessoa que vai fazer tudo que você quer, que vai ser perfeita e incrível a todo momento. Um relacionamento feliz é aquele que possui companheirismo, amizade e um pouco de pimenta.

E Ron/Hermione sempre teve tudo isso.

Está escrito. Em sete livros.

Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

17 Responses to “A polêmica de J.K.Rowling sobre Ron e Hermione (e porque amamos o Ron)”

  1. Mel, você disse tudo o que eu pensei. Eu achei tão contraditória essa declaração, é quase como se a JK de repente se desse conta que saiu da regra número 4 sobre romance nas histórias: “O protagonista fica sempre com a melhor amiga!” (#ironia aqui) e se sentisse culpada pela própria originalidade, menosprezando assim um de seus personagens.
    Parabéns pelo ótimo texto!
    Bjos

    Responder
    • Melissa de Sá

      Lucy, é hiper contraditória com tudo que ela já escreveu. E menosprezar o Ron foi o cúmulo: não é possível que ela não veja a trajetória do Ron ao longo da série! O quanto ele cresceu e mudou com o tempo.

      Fala sério, protagonista com melhor amiga é um cliché que muitas vezes é chato. Por que o herói sempre fica com a menina de maior destaque? HP tem esse diferencial todo especial. Não importa o que Rowling diz, eu sempre vou me apegar a Ron e Hermione.

      Obrigada. Fico feliz que tenha gostado do texto. Tentei me segurar pra não ser emocional demais.

      bjs

      Responder
  2. Mel, você fez um texto brilhante, digno da escritora incrível que é, mas acima disso, digno da mestranda competente que é. Obrigada imensamente por essa leitura, por essa visão ponderada, crítica, coerente e responsável dessa situação. De verdade, agradeço. Você acalmou meu estado de nervos que estava crítico após ver uma escritora que admiro tanto dar declarações tão absurdas contradizendo a própria obra, contradizendo o que escreveu claramente em sete livros.

    Como você disse, um autor não é confiável para falar de suas obras. A sua visão sempre é e sempre será parcial. Por isso mesmo não existem resenhas dos próprios autores para seus livros, certo? Um autor não consegue falar deles com distanciamento, jamais, não importa quanto tempo passa. Tudo o que o autor quis dizer sobre a obra está na própria obra. E acabou.

    E eu também amo o Ron simplesmente por ele ser humano e comum, como todos nós. Ele é um dos personagens mais honestos da série. E por isso tanta gente se identifica com ele. E por isso também muitos não gostam dele: é difícil encarar de frente quem somos. Como foi difícil para o próprio Ron.

    Mais uma vez, obrigada por esse texto maravilhoso. Ele me trouxe paz.

    Responder
    • Melissa de Sá

      Nossa, fico feliz demais que esse texto tenha te trazido paz. Essa situação deixou a gente, fãs de HP e sobretudo fãs de R/H, em estado de choque. Foi uma coisa que saiu do nada e foi parar em lugar nenhum.

      Pois é, não é a toa que a gente não resenha o próprio livro. Nunca conseguiríamos a distância necessária. Quando falo de textos meus, gosto falar de processos de criação (como foi que tive a ideia, como me organizei pra escrever, etc), nunca de dar uma interpretação. Eu não conseguiria. Na última resenha sobre “A torre o dragão”, o blogueiro falou de coisas que eu nunca tinha pensado quando escrevi o conto. Mas todas elas faziam sentido! Estavam lá, no texto, então quem sou eu pra contradizer?

      Ron é um querido. Sempre foi meu favorito em HP. E sim, encarar quem realmente somos requer a maior das coragens. Nesse sentido, aquela cena dele destruindo a Horcrux é maravilhosa: todos os medos dele bem reais, ali, na frente dele. E mesmo assim ele pegou a espada e destruiu. Uma metáfora linda de como ele amadureceu. Que pena que a J.K não veja isso…

      Responder
  3. Oi, Mel.
    Fiquei extremamente decepcionada com essa declaração da autora. Acredito que ela não tenha refletido muito bem sobre a importância do que ela disse… O Ron e a Hermione formam um belo casal e quem leu os livros percebeu tudo isso! E então ela vem e estraga tudo!
    Achei uma droga, mas continuo defendendo o casal original!
    beijos
    Camis

    Responder
    • Melissa de Sá

      Camila,
      A decepção foi muito grande pra mim também. Ron e Hermione são um casal lindo e os livros têm momentos lindos entre eles. Também defendo o casal até o fim, até porque pra mim a declaração da Rowling não vale nada. Sinceramente. Uma declaração dessas não apaga o que sete livros escreveu.
      bjs

      Responder
  4. Nossa, Melissa, eu achei muito estranho o que a Rowling falou. Nossa, parece até que ela não conhece a obra e os personagens que fez… foi muito esquisito, porque geralmente ela é muito sensata e consciente! Fiquei aqui achando que alguém deu alguma pancada na cabeça dela antes de ela dar essa entrevista XD.

    O que mais me chateou foi o que chateou você também, no fim das contas: ela rebaixou o Ron, colocou-o como se ele fosse um personagem menor, como se a jornada toda fosse apenas da Hermione e do Harry. Ron sempre foi meu personagem favorito pelo fator humano dele. É impossível não se identificar com ele e não se emocionar ao perceber que, mesmo que ele se sinta menor por vezes, ele está ali, ele permanece ao lado de seus amigos por pura lealdade e amor mesmo. Isso o faz grande, muito grande, principalmente quando ele admite seu erro e tem coragem para voltar e pedir desculpas. Gente, é preciso muita integridade para fazer isso, muita humildade. É por isso que eu gosto tanto do Ron. Ele muitas vezes é deixado de lado e colocado para baixo, mas ele descobre sua própria importância, amadurece e se torna um adulto ao longo da série. Ron é o mais palpável dos três, e admito que me identifico muito com ele.

    A relação dele e de Hermione é muito querida, eles fazem bem um ao outro, se complementam e contribuem para o crescimento um do outro (até mesmo por isso as rusgas e brigas acontecem!). Se isso não é um bom relacionamento, eu não sei o que é!

    Eu sinceramente teria detestado se a Hermione tivesse ficado com o Harry. Os dois combinam como amigos e pronto. Além disso, fico muito passada com esse negócio de “será que o Ron seria capaz de fazer a Hermione feliz” (como se o Ron fosse inferior a ela). Aposto que muita gente ficaria danada se invertêssemos essa pergunta, porque é uma declaração infeliz. Ninguém deve estar em um relacionamento para que o outro o faça feliz, a felicidade advém do companheirismo, da amizade, do carinho (e do toque de pimenta, como você disse)… e essas coisas vão levar o casal a passar pelas dificuldades. A gente vê tudo isso com Ron e Hermione. Esperar que o outro faça tudo aquilo que você espera e que assim te faça feliz… não rola! Não é assim que as coisas funcionam. A J. K. Rowling parece que não leu o que escreveu! Passada com essa entrevista.

    Responder
    • Melissa de Sá

      Liége,

      Justamente porque a Rowling costuma ser tão centrada eu não imaginava uma coisa dessas. Minha segunda reação (depois de achar que era fake) foi: o que essa mulher fumou? Porque… é um troço sem explicação.

      Ron/Hermione é sem tirar nem por. É um desenvolvimento lindo ao longo dos livros. E pra mim, o Ron é tão herói quanto Harry e Hermione. Harry/Hermione é sem graça demais. As pessoas esquecem que toda vez que Harry brigava com Ron e ficava só com a Hermione, os dois ficavam de mau humor e Harry se segurava pra não brigar com ela. Harry nunca teve paciência com a Hermione. E quando Ron vai embora no livro 7, Harry ficou todo nervoso com ela por causa da varinha destruída. Eram dias infernais. Hermione chorava o tempo todo e Harry era um chato. Será que ninguém lembra disso???????

      Também acho que casais perfeitos não existem. Todo mundo tem problemas, todo mundo tem seus rolos pra resolver. Eu acho sinceramente que Ron e Hermione seriam felizes juntos, apesar dos problemas, que, afinal, são inerentes a todo relacionamento.

      Responder
  5. Obrigad pelo post coerente e, principalmente, acalentador. Não gostei da maneira que JK diminuiu Rony nessa entrevista, ainda mais quando ela mesma disse “é muito fácil amar o Rony” quando lançou o quarto livro
    Sou fã velh, tanto da saga como em idade, mas não posso mentir, pensei com todas as minhas forças que fosse apenas um rumor e fique péssima quando descobri q não era. A gente pensa que tá velha, que por mais q ame a saga aquilo não interfere no cotidiano aí vem o mundo dá suas voltas e desconstroí o que pensamos. Só posso dizer que o seu texto vai melhorar a minha segunda, o que importa é o q está escrito em SETE livros!
    Obrigada =D

    Responder
    • Melissa de Sá

      Gabriela, obrigada pelos elogios.
      É, eu me vi na mesma situação que você: afetada por uma coisa desas (e não, não tem idade pra isso acontecer. Eu também não sou mais novinha…). Mas daí pensei bastante no assunto, lembrei da minha própria vida acadêmica e decidi que não importa o que a Rowling diga. R/H é o casal mais lindo so livros de fantasia.
      Um abração pra você!

      Responder
  6. Achei interessantíssima sua análise sobre a notícia e, sobretudo, a respeito do personagem. Acho todos os personagens principais de Harry Potter muito bem trabalhados, e com Ron não é diferente. Superficialmente, Harry Potter pode parecer aquela história com personagens totalmente bons e totalmente maus, porém uma análise mais aprofundada nos mostra que isso não é verdade (exceto no caso de Voldemort, que é a personificação da maldade, mas foi devido a alguns erros cometidos pela própria mãe).

    Em minha opinião Ron foi tão importante para a trama quanto Harry, Hermione, Dumbledore ou Neville. Todos eles têm seus defeitos e todos falharam uma vez ou tiveram chance de falhar. Como a própria Rowling já afirmou e como podemos verificar nos livros, sempre foi Ron quem manteve o trio unido. E o trabalho do trio foi indispensável para a batalha contra Voldemort.

    Quanto ao relacionamento entre Ron e Hermione, nós o vimos evoluir desde o primeiro livro, quando eles aos poucos se tornaram amigos. Tiveram uma série de desentendimentos nos volumes seguintes, especialmente no sexto, em que começou a ficar claro que o relacionamento deles ia além de uma simples amizade. Em “Relíquias da Morte” pudemos ver que Ron estava vencendo suas próprias fraquezas e ficou bastante claro que Hermione percebeu.

    É bastante óbvio que, como qualquer casal real, Ron e Hermione terão seus desentendimentos e seus momentos de infelicidade. Ainda assim, eu acredito que Ron poderia fazê-la feliz, e vice-versa. Como você mesma ressaltou, ambos cresceram um com o outro ao longo da série, e creio que isso seja muito importante para eles e para a relação em si; a relação foi construída em cima disso.

    O relacionamento seria válido ainda que um dia chegasse a terminar. Não é só porque acabou que isso significa que eles não foram felizes enquanto durou.
    Harry e Hermione ficarem juntos não faz muito sentido para mim. Eles eram amigos, e em minha opinião Harry precisava de Hermione para fazê-lo ver que ele tinha tudo o que precisava para vencer sua batalha – além do fato óbvio de que precisavam dela por sua inteligência, ou não durariam dois dias, de acordo com Ron.

    Talvez esse tenha sido realmente um arrependimento da autora, mas isto, é claro, não mudará o que está nos livros, e tampouco mudará os personagens.

    Abraço!

    Responder
    • Melissa de Sá

      Laís,

      Você falou tudo: o relacionamento seria válido até se chegasse a terminar! O desenvolvimento da relação deles ao logo dos sete livros é essencial para o amadurecimento de ambos (Ron se torna uma pessoa mais política e crítica e Hermione finalmente baixa a guarda). Mesmo que eles viessem a não ficar juntos para sempre (mas o epílogo dos livros nos dá essa ideia), ainda assim a base da relação deles estaria como um dos prontos centrais da série!

      Eu sinceramente me pergunto qual seria a dinâmica dos livros se o relacionamento fosse Harry e Hermione. Não consigo ver os dois juntos, até porque Harry sempre parecia entendiado demais quando somente Hermione estava por perto…

      Os personagens não mudam, nem os livros.

      abraços pra você!

      Responder
  7. Ron Weasley é o melhor personagem! O tanto que ele já me fez rir e chorar…

    Um texto desse mexe demais comigo! Muita obrigada!

    Responder
  8. Ron Weasley é o melhor personagem! O tanto que ele já me fez rir e chorar…
    Um texto desse mexe demais comigo! Muito obrigada!

    Responder
  9. Menina que texto perfeito é esse???
    Arrasou! É isso … Disse tudo.
    ———————————–
    “Se Ron vai fazer Hermione feliz? Sinceramente? A Hermione dos livros parece bem feliz de estar com Ron, que se torna um homem maduro, não necesariamente um homem perfeito. Ron/Hermione sempre foi um relacionamento real: de pessoas que se amam, mas brigam, se magoam e depois pedem desculpas. Ser feliz num relacionamento não significa ter uma pessoa que vai fazer tudo que você quer, que vai ser perfeita e incrível a todo momento. Um relacionamento feliz é aquele que possui companheirismo, amizade e um pouco de pimenta.

    E Ron/Hermione sempre teve tudo isso.

    Está escrito. Em sete livros.”

    ————————————-
    Abraço
    Que Deus te abençoe

    Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>