Bestiário

Título: Bestiário

Autor: Vários autores

Ano de publicação: 2012

País de origem: Brasil

Editora: Ornitorrinco – 133 páginas

Saudações, queridos leitores do Livros de Fantasia! Finalmente esta colunista errante está de volta, e desta vez pretendo resenhar mais um livro nacional. Para ser mais exata, uma coletânea de contos com um tema muy interessante, e que certamente interessará os amantes de fantasia.  Apresento a vocês “Bestiário”, da Editora Ornitorrinco.

Curiosos? Pois “Bestiário” empresta seu nome dos antigos registros e compilações medievais que abordavam toda sorte de criaturas – desde animais, como tigres e lobos, até criaturas fantásticas e lendárias. O livro nos apresenta seis contos de autores diferentes, e cada um deles traz sua própria história e visão de seis seres imaginários: o basilisco, o dragão, a fênix, o grifo, a mantícora e o unicórnio.

Pois é. Bem legal. Eu, particularmente, achei a ideia muito bacana e fiquei muito feliz em saber que a coletânea obteve uma continuação – “Bestiário: outras criaturas” – abordando ainda mais seres fantásticos. Mas por enquanto fiquemos com a primeira (mesmo porque ainda tenho que adquirir o segundo livro) e com seis envolventes contos.

O basilisco, retratado no conto “Basílio”, ficou a cargo do autor Rober Pinheiro. A narrativa foi bem conduzida, criando uma atmosfera de suspense e um final apropriado ao desenrolar da história. O conto é sombrio e de atmosfera opressiva, e embora não faça tanto meu estilo, é bem escrito e diferenciado dos outros contos, que se aproximam mais da fantasia, e não do terror e suspense. Para ser sincera, gosto muito dessa variedade e acho bacana como sempre tem algo para todo mundo em coletâneas bem organizadas.

O conto “Aberração na Coleira”, de Alícia Azevedo, traz uma das criaturas mais icônicas da fantasia, o dragão. Dividido em três pequenos capítulos, o conto retrata a busca de dois irmãos pelo trono de seu reino, busca esta que envolve um dragão. É um conto de desfecho inteligente, que apresenta o dragão como uma criatura astuta e maliciosa, que não precisa utilizar suas garras para conseguir o que quer. Gostei, gostei bastante. Escrita envolvente e conto bem fechado.

“A Alma do Sol”, de Daniel Folador Rossi, foi um de meus contos preferidos. Traz uma ambientação bastante interessante e rica, com gênios, caças ao tesouro, e, é claro, uma fênix. Uma narrativa de aventura instigante, com descrições bastante apuradas e um desfecho muito bonito. Um dos meus favoritos.




"A menina do Val de Grifos", escrito por Ana Cristina Rodrigues, também é um conto bastante interessante por apresentar uma ambientação fantástica em Portugal (adorei!): um vale espremido entre montanhas, último refúgio natural de criaturas majestosas com corpos de leões e cabeças e asas de águia - os grifos. O conto descreve as condições de nascimento e treinamento das criaturas, e embora a personagem principal e sua história não tenham me cativado tanto, é um bom conto. Gostei bastante da ambientação diferenciada.

Leandro Reis traz "O Deus Mantícora", um conto passado no mundo de Grinmelken, que me surpreendeu bastante. Narra a história de um filho buscando vingança pela morte do pai e também o fim da submissão de seu povo a um deus bestial. Com começo, meio e fim bem definidos, é uma história interessante que poderia ser contada em muitas páginas, mas que foi condensada de maneira efetiva em um conto. Fiquei bastante impressionada com a narrativa do autor e o conto também é um dos meus favoritos.

Por último, temos também outro de meus favoritos da coletânea, "A História de Nosso Cavalinho", de Ana Lúcia Merege (sambando de novo, essa Ana). O conto, que se passa também no universo de alta fantasia criado pela autora, Athelgard (o mesmo do maravilhoso O Castelo das Águias) relata o encontro de uma família de artistas de rua com um singelo Cavalinho, que, mais tarde, se descobre ser um unicórnio. Um conto infanto-juvenil encantador, que cativa ainda mais por seu protagonista, um menino que teme perder tudo aquilo que gosta por não ser tão especial quanto as pessoas que o cercam.

É interessante dizer que antes de cada conto encontramos uma pequena explicação de cunho teórico sobre as origens e características de cada criatura, algo bastante oportuno, já que provavelmente nem todos os leitores serão conhecedores de todas as criaturas que figuram na coletânea. Além disso, as explicações são curtas e bastante informativas, e são muito bacanas no sentido de proporcionar um entendimento maior do leitor em relação às características de alguns contos e suas criaturas. Para citar um exemplo, o conhecimento da lenda do nascimento do basilisco foi muito importante para que a gente compreendesse o desenrolar e o final da história.

Sinceramente? Não deixei de gostar de nenhum conto, embora tenha tido meus três favoritos, como você puderam ver. Uma leitura agradável, leve e que recomendo fortemente a todos aqueles que apreciam mitologia, lendas e fantasia. LEIAM!




 

5 Responses to “Bestiário”

    • Liége Báccaro Toledo

      Nossa, Camila, bem isso mesmo! É uma leitura bem bacana, eu indico! E o que eu mais gosto de coletâneas é que são uma ótima forma de conhecer novos autores!

      Responder
  1. Melissa de Sá

    Liége, eu gosto de criaturas mágicas e místicas e fiquei curiosa com esse livro. Na verdade, já tinha tido vontade de lê-lo antes da sua resenha… agora então, vontade dobrada. 🙂

    Responder

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>