Space Opera Vol.1 – Odisseias fantásticas além da fronteira final

Esse primeiro volume da antologia de contos Space Opera vem com contos que vão de regular a excelentes, mas que na maioria se configuram como muito bons. A antologia aborda diversas perspectivas dentro do gênero com histórias com pegadas mais de aventura, mistério ou drama. Para quem gosta de ficção científica, vale a pena ler.

Título: Space Opera: Odisseias Fantásticas Além da Fronteira Final
Organizadores: Hugo Vera e Larissa Caruso
Autores: Gerson Lodi-Ribeiro, Clinton Davisson, Maria Helena Bandeira, Jorge Luiz Calife, Letícia Velásquez, Marcelo Jacinto Ribeiro, Flávio Medeiros Jr., Larissa Caruso e Hugo Vera. Prefácio de Fábio Fernandes.
Editora: Draco
Páginas: 272

Mas que raios é space opera? É uma pergunta válida. Vamos a ela e aos contos dessa antologia que me empolgou bastante.

Space opera é um termo usado para falar de um ramo específico da ficção científica. Space operas têm uma pegada mais de aventura, um quê épico. Frequentemente utiliza elementos da jornada do herói e aborda temas grandiosos: o destino de um mundo, de uma galáxia, de um universo inteiro! Pense em Star Wars (trilogia antiga) e você estará pensando numa space opera.

Sim, space opera tem foguetes, naves espaciais, guerras alienígenas e batalhas emocionantes com heróis dramáticos. Mas por que, afinal, esse nome tão estranho? A ideia era fazer um trocadilho com as novelas (soap operas, em inglês), que têm um formato mais melodramático e cheio de clichés. Isso porque lá na década de 40, space operas não eram bem vistas pelos críticos justamente porque eram dramáticas e tinham clichés de aventura. Mas da década de 70 pra cá, houve uma revalorização do gênero. E cá estamos nós discutindo essa antologia da editora Draco.

Comprei essa antologia ano passado e deixei esperando na gaveta, ou melhor, no arquivo. Isso porque foi o primeiro e-book que li no celular. Usei o aplicativo Kindle para celular e foi super confortável fazer minha leitura. Gente, não tem desculpas hoje em dia pra se recusar a ler ebooks (mas essa antologia também está disponível em papel). Comprei porque curto ficção científica no geral e porque curto space operas. Achei que a compra valeu super a pena, conheci autores ótimos que vou acompanhar daqui pra frente. Mas vou comentar cada conto em separado.

“No Amor e na Guerra”, de Gerson Lodi-Ribeiro

Gerson Lodi-Ribeiro é um nome bastante famoso dentro da ficção científica brasileira e até então nunca tinha lido nada seu, apesar das boas críticas. Infelizmente, acho que comecei pelo lugar errado. “No Amor e na Guerra” foi um conto arrastado que demorei horrores para ler. Nada nele me prendia, nada me fazia querer continuar. Mas pretendo ler outros textos do autor, que sempre me atraiu.

Derek Medeiros Morgan é um comandante encarregado de defender a terra de uma invasão alienígena. Ele é um militar até nos genes (literalmente) e é a partir de seu ponto de vista que acompanhamos a história. Os humanos estão numa causa praticamente perdida e parece não haver esperanças. É então que o comandante descobre, de última hora, uma arma ultra secreta, desenvolvida por ninguém menos do que por sua esposa, que ele julgava morta. A sub-trama do casal então se entrelaça com a trama principal da invasão.

O problema é que eu não me apeguei a nenhum personagem, a nenhuma situação. O texto é obviamente bem escrito, com uma boa narrativa, mas eu não consegui sentir empatia pelos personagens ou mesmo a situação de perigo. Pra mim, tudo ia dar certo e okay.

 “A Esfera Dourada”, de Clinton Davisson TOP 3 MELHORES

Esse conto me agradou muito mais. Com uma pegada de alta fantasia, um governo opressor e um mistério mítico acho que não teria muito como eu não gostar. O conto é bem escrito e apesar da caracterização de Lilith como mulher incrivelmente bela e sensual tenha me deixado irritada, consegui me envolver na história.

Capitão Taylor é o protagonista. Comandante de uma das naves mais importantes de Hegemonia, ele vive alguns dilemas pessoais incomuns a sua situação. Seu povo utiliza uma armadura que torna seus “moradores” imortais e não os deixa ficar doentes, mas Taylor sente saudades dos antigos costumes humanos (sexo, por exemplo). Quando sua nave encontra uma nave menor à deriva, com uma misteriosa humana adormecida à bordo, Capitão Taylor se vê diante de uma situação que poderá mudar toda a Hegemonia.

A narrativa é bastante fluida e envolve o leitor. Gostei bastante da junção de ficção científica com fantasia nesse conto. Inclusive, fiquei com vontade de ler o romance do autor, Hegemonia, que se passa nesse mesmo universo.

“Mádrax”, de Maria Helena Bandeira

Esse conto se propôs a ser uma releitura de Macbeth, de Shakespeare, mas achei que ele deu um tiro no pé quando tentou se aproximar demais do texto “original”. Apesar do cenário futurista, as principais cenas ainda se passam em um castelo e temos referência ao famoso bosque da peça e às bruxas profetisas. Além disso, mesmo com a narração tendo uma linguagem neutra, os diálogos são muito formais, cheios de metáforas (como em Shakespeare), o que criou uma sensação estranha durante a leitura, pelo menos pra mim..

Mádrax é um herói de guerra e ao retornar para casa, recebe uma estranha previsão: seria presidente do sistema Terralua. Ao contar para sua mulher o estranho ocorrido, os dois entram numa trama para assassinar o presidente e cumprir a profecia.

Eu gosto de releituras, mas acho que há sempre o perigo de elas não nos trazerem nada de novo. Senti isso com “Mádrax”. Lady Mádrax é exatamente a Lady Macbeth. Mádrax é Macbeth. A trama se desenvolve de forma igual ao texto da era elizabetana, sem nada de diferente. No final do conto houve uma tentativa de trazer um novo significado a essa leitura que foi até interessante, mas não me convenceu por completo.

“Tempo instável”, de José Luiz Calife

Esse conto foi uma delícia de ler. Li rapidamente e a impressão que tive é que ele poderia ser transformado em um excelente filme. A escrita é bem dinâmica e envolvente e a trama é bem desenvolvida e inteligente.

Em “Tempo Instável”, o planeta terra está em colapso por causa de desastres ambientais. Por causa disso, cientistas têm investido no processo de “terraformação” na lua, ou seja, transformar a lua em uma pequena versão da terra. O protagonista é o responsável por uma pequena nave cargueira que, durante uma viagem simples e rotineira, acaba se vendo no meio de um esquema de sabotagem industrial. Apesar de novamente a personagem feminina ter me irritado por ser descrita frequentemente apenas por sua aparência, a trama é envolvente e o final me satisfez.

“Temos que cumprir a quota”, de Letícia Velásquez

Esse conto tinha um potencial enorme, mas, a meu ver, falhou na execução e não me agradou, infelizmente. A proposta é de que a humanidade vive uma distopia: tem que enviar servos para os alienígenas de Sírius. A protagonista é uma das responsáveis por raptar os seres humanos que serão enviados como escravos. Bem, e aí está o meu problema com essa história.

A protagonista e narradora se diz enojada com a situação, horrorizada com o que faz, mas ao mesmo tempo faz tudo sem questionar. Okay, isso poderia ser uma ambiguidade interessante, mas o texto não explora isso, pelo contrário. O final, que poderia ser chocante e horrível, se torna previsível (eu consegui adivinhar muito antes) e frio. Não há impacto algum.

“Seu momento de glória”, de Marcelo Jacinto Ribeiro TOP 3 MELHORES 

Um conto que me fez ficar pensando durante muito tempo, fiquei com a história na cabeça durante dias. A narrativa é bastante envolvente e dramática,  o que é uma coisa que sempre valorizo. Além disso, gostei muito das reviravoltas e o final me deixou com um gosto amargo na boca.

Num futuro amargo e escuro, a humanidade vive às escondidas no subsolo depois que um ataque alienígena matou milhões. Protegidos por um escudo gigantesco que bloqueia a luz solar, os humanos têm pouca ou nenhuma motivação para prosseguir além daquele desejo básico de sobrevivência. Quando os alienígenas planejam um novo ataque ao planeta, é necessário encontrar uma nova arma para enfrentá-los e criar um novo herói.

Foi um dos meus favoritos. A tensão ficou na medida certa e a loucura de Mason foi simplesmente assustadora. O final também levantou questões muito interessantes.

“Logan Marshall”, de Larissa Caruso

Esse conto tem uma pegada meio MIB. Um detetive alienígena exilado na terra, meio bonachão, meio carrancudo. Logan Marshal tem seu quê de genialidade mas vive no underground. Um diálogo claro com as narrativas noir.

Logan Marshall é uma alienígena que esconde sua verdadeira identidade. Parte dos aliens exilados na terra por conta de seus crimes e infrações, Logan fica responsável por conter seus colegas alienígenas que passam dos limites com os humanos e praticam crimes.

O conto flui de uma maneira bastante interessante: Larissa Caruso consegue andar bem por entre essa narrativa noir alienígena. Fiquei satisfeita com a resolução final do conto e o mistério criminal foi igualmente instigante.

“Ganimedes”, de Hugo Vera FAVORITO

Esse foi meu favorito do livro inteiro. Ele tem mistério, ação e uma trama política de fundo que muito me agradou. Além disso, os personagens foram bem trabalhados e as situações foram desenvolvidas de uma forma interessante e surpreendente. O conto me deixou muito tensa e ao final eu dei aquele grito de choque e alegria por conta do desfecho tão legal.

Num futuro em que os humanos colonizaram Marte, uma situação política tensa se instaura: os Marcianos humanos são agora independentes e grupos terroristas ameaçam a frágil paz entre Terra e Marte. O maior problema é a água. Uma manobra dos terráqueos deixa os Marcianos sem o recurso. Numa nave entre as luas de Júpiter, as consequências dessa tensão entre potências vai encontrar o seu ponto máximo. Um jogo complexo de espionagem acontece.

O conto é muito fluido, a escrita de Hugo Vera é bastante envolvente. Seus personagens foram muito reais para mim e eu consegui ser completamente absorvida pela situação apresentada. Ao final do conto, eu queria mais. Fiquei desesperada. De um jeito bom.

“O Pendão da Esperança”, de Flávio Medeiros Jr. TOP 3 MELHORES

A antologia fecha muito bem com “O Pendão da Esperança”, certamente um dos melhores do livro. Confesso que “Ganimedes” ganhou meu coração, mas o conto de Flávio Medeiros Jr com certeza se destacou por ser muito bem elaborado. Não é a toa que ganhou o Prêmio Argos em 2012.

A nave “Estrada Real”, de tripulação brasileira, é uma das enviadas para investigar o estranho objeto voador que apareceu próximo à Terra. Por conta de suas proporções gigantescas, o clima de nosso planeta está sofrendo alterações e catástrofes se tornam rotina. Como única comunicação, o estranho objeto envia um vídeo com vídeos terráqueos, mas ninguém parece decifrar. A bordo da “Estrada Real”, a tripulação do Capitão Barbosa tem que encontrar uma solução para uma ameaça de proporções nunca antes vistas.

Não vou contar mais do conto, pois seria spoiler, mas ele me deixou completamente ansiosa. Lembro que estava lendo no intervalo do trabalho e quando tive que interromper a leitura, me senti extremamente frustrada. O autor escreve muito bem e desenvolve sua trama de uma forma muito envolvente. Os personagens, apesar de serem clichés da space opera (o capitão rabugento mas audacioso, o cientista excêntrico, etc), são bem desenvolvidos. Vale a pena ler.

 .

De forma geral, Space Opera: Odisseias fantásticas além da fronteira final é um conjunto muito bom de contos, que certamente irá agradar aos fãs do gênero. Inclusive, para quem quer se aventurar na space opera escrita por brasileiros, esse é um excelente começo.

Como comprar:

Papel: Paypal | PagSeguro (site da Editora Draco)|Travessa Cultura |FNAC Saraiva | Geek

E-book: Amazon Apple |Kobo | Cultura | Saraiva

Lembrando que todos os contos podem ser adquiridos separadamente em formato ebook. Então se você ficou curioso com alguma dessas tramas, vale a pena conferir. 🙂

Melissa é escritora, blogueira e fica hiperativa com açúcar. Tem contos publicados em antologias das editoras Draco, Buriti e Cata-vento além de trabalhos independentes na Amazon. É autora do livro infantil A Última Tourada.

http://mundomel.com.br

 

One Response to “Space Opera Vol.1 – Odisseias fantásticas além da fronteira final”

Leave a Reply

XHTML: You can use these tags: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>